30 de set de 2010

Gurgel elétrico 600 km - primeiras avaliações

Tenho passado os últimos dias testando o meu Gurgel BR-800 elétrico. Já rodei 600 km com ele. Nestes 600 km percebi alguns pontos fortes e alguns fracos. Vou citar neste post os itens do ponto de vista de uso. As questões técnicas ficarão para o próximo. Vamos lá então:

Dirigibilidade:
Bom de dirigir em piso asfaltado, e bem asfaltado. Em trechos de calçamento de paralelepípedo tenho que baixar a velocidade para a suspensão não bater no fundo. Lembrando que a velocidade máxima é de 60 km/h.
O freio é pesado. Tem que ter força nas pernas. É que o carro, originalmente, não tem servofreio.

Velocidade:
Tenho rodado sem problemas no trânsito urbano. Moro em Blumenau, cidade com aproximadamente 300mil habitantes. A velocidade máxima de 60 km/h é suficiente para rodar no fluxo de veículos. Normalmente não passo de 50 km/h. Ninguém ficou buzinando ou irritado comigo.
Já em rodovias, é complicado. Me atrevi uma única vez. Somente por um trecho muito curto que interligava uma rua a outra que tinha que percorrer. Teria que alcançar 80 km/h para encarar este tipo de trânsito.

Aceleração:
A aceleração é compatível com a de um carro mil. No caso do BR-800, melhorou, comparado ao motor a gasolina. Utilizando a quarta marcha, o carro arranca suavemente e ganha aceleração logo em seguida. Bom e agradável no trânsito normal.

Autonomia:
Comecei rodando aproximadamente 45 km/carga. Para meu uso, urbano, em Blumenau, é mais do que suficiente. A medida que fui utilizando, percebi que a autonomia caiu. Aumentei a capacidade de carga do meu carregador para ter recargas mais rápidas. Continua sendo suficiente, mesmo que a autonomia tenha caído para 30 km/carga. Isto porque moro a 6 km do meu trabalho. De lá, são 3 km até o centrinho da cidade. Os trajetos, considerados grande, são de 10 km. Então tá dando para levar.
Descobri hoje que estou com 3 baterias (das 10) com baixa carga. Vou resolver o problema o quanto antes.
Mas resumindo, com 45 km de autonomia, certamente, numa cidade pequena e média, onde as distâncias a serem percorridas são em torno de 10 km, esta autonomia é suficiente para um uso diário do veículo.

Espaço:
O carrinho é muito pequeno e ficou reduzido a 2 passageiros, sem porta-malas. Em função disto, muitas vezes, tenho que deixar o mesmo em casa e sair com o carro a alcool.
Falta espaço para abrigar adequadamente o note-book, casacos, bolsas da esposa, sacolas de supermercado, etc...
Em função desta falta de espaço pude perceber como a gente carrega coisas.
Muitas desnecessárias, mas outras, necessárias. Principalmente Computadores e casacos, para quem mora em clima frio, ou tem que trocar de roupa durante o dia em função de compromissos profissionais.
Aconselho a quem for fazer um carrinho assim, a manter uma área de carga para acomodar o material. Tenho que arranjar isto no meu.


Apresentação:
O carro chama atenção das pessoas. Quando você chega todo mundo olha, estranha a falta de barulho etc.. Muitos vêm perguntar como funciona etc..
Isto é muito legal. Ver que as pessoas se interessam. A questão ecológica está, cada vez mais, na cabeça das pessoas. Por outro lado, existem aqueles que, e só pelo olhar percebemos, desprezam a gente, por estar andando num carrinho destes. Nem se tocam se é elétrico ou não. Te avaliam com pobre coitado, andando nesta caixinha de 20 anos de idade, hehe.
Não recomendo a ninguém usar um carro destes (BR-800) num encontro profissional ou social, onde a imagem e a marca do carro vão falar por você.

Conclusão geral:
O carro tem mostrado utilidade. É perfeitamente viável utilizá-lo no dia a dia normal. Anda bem no trânsito. É muito econômico. O ponto fraco mesmo, é o carro em si, o BR-800. Falta espaço e a estrutura do carro é frágil (suspensão). Para mim continua sendo válida a homenagem que fiz ao João do Amaral Gurgel. Mas, se não for por este motivo, monte o seu num utilitário pequeno.

8 comentários:

  1. Como faça a conversaão do BR 800 para eletrico e qual o custo ?
    favor enviar resposta para o e-mail arnaldo.viveiros@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Arnaldo,
    podes ver todo o trabalho de conversão nas postagens anteriores deste mesmo blog. O custo, para mim, foi de 20 mil reais.
    abraço
    Pimpão

    ResponderExcluir
  3. Olá amigo, adorei seu carro! Tinha uma ideia parecida na minha cabeça, só que nunca passou disso!

    se puder tirar umas duvidas, como qual motor você usou? quanto pagou nele? e aonde compou?

    olhei nos seus post's e pelo que entendi você comprou fora do pais com uma ajuda de um amigo seu.

    Sua ideia é BRILHANTE adorei de verdade. Estou afim de fazer tabm (aos poucos), se puder me ajudar fico agradecido!

    desdeá brigado!

    se puder me add no msn billiesp@hotmail.com

    desculpa errros de port (mania internet)

    ResponderExcluir
  4. Olá Nando,
    Todos os passos da montagem e descrição do motor estão nos posts do blog. O motor comprei na china. Ele foi importado por uma empresa de um amigo meu. Quem fabrica o motor é a Zibo motors. Você encontra link para o site deles na caixa de fornecedores do blog.
    Qualquer dúvida que tiver e que não encontre no blog, pode me contactar Grande abraço, Pimpão.

    ResponderExcluir
  5. Seu eu tivesse grana, eu faria isso numa pick-up fiat 147, com as baterias na caçamba. Ia ficar da hora.m Parabéns

    ResponderExcluir
  6. Poxa quem depressa o carro elétrico devia olhar os videos do White Zombie Electric Car, carro elétrico de tração traseira que anda mais rápido que Corvete, BMW M3, até os famosos muscle cars como o Dodge Charger. Tem um monte de vídeo no Youtube para comprovar, melhor tempo nos 400 metros foi de 10.4 segundos chegando ao uma velocidade final de 187.6 km/h, segue o link do video:

    http://www.youtube.com/watch?v=7rVTIpS5zb4

    Video White Zombie Electric

    Simplismente ASSOMBROSO !!!

    ResponderExcluir
  7. Com a experiência que obtive até agora, hoje, também montaria numa pick-up. Principalmente pelo espaço para as baterias e pelo fato do carro estar preparado para carregar peso. Abraço, Pimpão.

    ResponderExcluir
  8. Não me considero, no momento, apto a me tornar proprietário de um carro 100% elétrico, me entusiasmo mais pelo biodiesel (e poderia usar o combustível alternativo num híbrido), mas já pensei em montar um híbrido por conta própria. Mas para melhorar a eficiência do sistema de tração elétrica eu optaria por usar hub-motors ligados diretamente às rodas traseiras. Inicialmente pensei em usar como base um Chevette (no qual eu adaptaria motor Volkswagen a diesel - usando esse motor num Suzuki Vitara um tio meu conseguia médias de consumo equivalentes a um Lexus CT200h na cidade) e montar os hub-motors nas rodas dianteiras, mas como aumentaria a massa não-suspensa a direção ficaria mais pesada, então passei a cogitar o uso de algum modelo de tração originalmente dianteira com os hub-motors atrás. No caso, para acomodar as baterias adequadamente, teria que modificar o assoalho do porta-malas e o escapamento, para não ter que sacrificar tanto o volume do porta-malas como aconteceria com um cilindro de gás natural (esse problema acontece no Ford Fusion Hybrid).

    ResponderExcluir